Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogaridades

À Bolina Pela Vida... Irónico contra os ventos surumbáticos, sério contra os ventos irresponsáveis, iconoclástico contra os ventos dogmáticos, e politicamente incorrecto sejam quais forem os ventos...

Blogaridades

À Bolina Pela Vida... Irónico contra os ventos surumbáticos, sério contra os ventos irresponsáveis, iconoclástico contra os ventos dogmáticos, e politicamente incorrecto sejam quais forem os ventos...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

TRUMP A ESTICAR-SE

por bolinando, em 26.02.17

A recente medida de Trump de barrar a entrada na roda de imprensa diária da Casa Branca a jornalistas de orgãos de comunicação que têm criticado abertamente a acção presidencial de Trump pode por alguns ser considerada apenas como mais uma bizarria de uma administração manifestamente desajustada do cargo que ocupa, ou mais uma birra de um menino mimado que não está habituado a ser contrariado e que, sem saber ler nem escrever se viu elevado a Presidente dos EUA.

Infelizmente é muito mais que isso.

Os EUA, goste-se ou não, são das mais antigas democracias do mundo e a que mais inspirou outros povos e nações a baterem-se por esse regime. E convém relembrar que, sobretudo no século passado, quando as democracias estiveram em risco na Europa foram os EUA que, tardiamente, é certo, e com muitos interesses comerciais à mistura, acorreram em seu auxílio.

Ora um dos bastiões da democracia nos EUA sempre foi a liberdade de expressão, não apenas individual, mas também colectiva, através do respeito pela liberdade e tratamento igualitário dos meios de comunicação e dos seus profissionais.

E os principiais órgãos de comunicação sempre cumpriram com grande profissionalismo e sentido ético a sua função de manter a opinião pública americana (e não só) correctamente informada. 

Cobriram, sem qualquer censura, as condições do corpo expedicionário americano na 1ª Guerra, muito contribuindo para o fim da bacoca guerra de trincheiras, tal como cobriram a participação dos GIs americanos na segunda guerra, quer na Europa, quer no Pacífico, e foram os primeiros a divulgar as horripilantes imagens e a tenebrosa realidade do Holocausto perpetrado pelo regime nazi.

Estiveram também na cobertura, verdadeira e muitas vezes arriscada, da guerra do Vietnam, muito contribuindo para que o "Home front" se rebelasse contra uma guerra sem qualquer sentido para o povo americano e que matava os seus filhos aos milhares.

E foi ainda o jornalismo de investigação que revelou tramas e conspirações que punham em causa a verdadeira essência da democracia nos EUA, como foi o caso Watergate, provocando até a queda de um presidente, Nixon.

E foram também esses media que trouxeram até nós a Guerra do Golfo, os seus desenvolvimentos e a realidade da inexistência de armas de destruição massiva.

E apesar de tudo isto, nunca nenhuma administração americana se tinha atrevido a barrar os jornalistas e a vedar-lhes o direito de informarem, muito menos discriminando entre órgãos "favoráveis" e "desfavoráveis" à Administração.

E foi este passo perigosíssimo, que Trump ou os seus "conselheiros" decidiram tomar.

E com este "pequeno" passo é a própria essência da democracia americana que é posta em causa.

Se dúvidas houvesse, fica claro que Trump é um ditador, louco e ignorante, ainda por cima.

A minha esperança, que julgo ser partilhada por todos os democratas, é que a sociedade americana seja mais forte que as pulsões autocráticas de meia dúzia de tiranetes e que a "land of oportunities" prevaleça sobre todas as tentações totalitárias.

E se for necessário que os EUA mergulhem numa guerra civil, lamento mas para além de já ter acontecido no passado, antes isso que os EUA a mergulharem o mundo numa guerra de destruição total.

Valha-nos a coragem de algumas personalidades dos vários ramos artísticos que não se têm coibido de saltar para a primeira linha do combate, conscientes de que após as limitações ao direito de informar vêm sempre, inevitavelmente, a censura e as limitações ao direito de criar e de se exprimir.

 

E já agora não queria deixar de assinalar a forma discreta e envergonhada como alguns "jornaleiros" de alguns pasquins do nosso país, admiradores confessos ou envergonhados do Trumpismo se têm referido a este"episódio", tendo-o mesmo ignorado olimpicamente alguns. Deviam envergonhar-se!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D