Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogaridades

À Bolina Pela Vida... Irónico contra os ventos surumbáticos, sério contra os ventos irresponsáveis, iconoclástico contra os ventos dogmáticos, e politicamente incorrecto sejam quais forem os ventos...

Blogaridades

À Bolina Pela Vida... Irónico contra os ventos surumbáticos, sério contra os ventos irresponsáveis, iconoclástico contra os ventos dogmáticos, e politicamente incorrecto sejam quais forem os ventos...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

OS HERÓIS DA MINHA INFÂNCIA - O MAJOR JAIME EDUARDO

por bolinando, em 28.12.16

 

Resultado de imagem para Major Alvega

Numa altura em que os ídolos e heróis da minha infância e juventude vão desaparecendo num "movimento uniformemente acelerado" acho que o melhor é recordar aqui alguns deles, não apenas os de carne e osso, mas também os de fantasia.

E no pelotão da frente surge uma das personagens principais dos livros da colecção Falcão, o major piloto-aviador Alvega. Aliás, Jaime Eduardo de Cook e Alvega, um luso-britânico de raízes ribatejanas e que talvez por essas raízes "toureava" os malvados e desumanos pilotos da Luftwafe nazi e por vezes até os japoneses, que transformava em Zeros à esquerda.

Este herói a cujas façanhas os Aliados devem seguramente a vitória na guerra quase fez com que desistisse de ir para a Marinha quando fosse crescido e equacionasse a hipótese de entrar para a Força Aérea, ideia que abandonei quando percebi que a nossa FAP não tinha os Spitfires, nem os Hurricanes de que Alvega fazia as suas "pistolas".

A verdade é que esta personagem ajudou a que eu criasse desde muito novo um sentimento de repúdio pelos alemães e pelos nazis, que na altura julgava serem sinónimos (hoje ainda por vezes tenho dúvidas sobre isso, com muito mais frequência do que gostaria).

Também os fascistas italianos eram "arrasados" pelo nosso major e até me lembro de um episódio em que o seu avião foi abatido sobre o Mediterrâneo e Alvega conseguiu nadar até à costa espanhola e daí alcançou França e a liberdade, iludindo a Guardia Civil franquista que ridicularizou.

Hoje, ao pensar nisso julgo que a Comissão de Censura não devia ler os livros de quadradinhos por os considerar literatura menor e apenas destinada a crianças, esses "seres sem maldade", devidamente enquadrados e formatados pela Mocidade Portuguesa. Enganaram-se!

O episódio em que o major Alvega morre, marcou para mim o corte com estes quadradinhos. Quem matava os meus heróis era como se me matasse a mim.

Mais tarde percebi que o major Alvega era verdadeirameente imortal pois não só resistiu a essa morte como também resistiu à segunda morte que consistiu na adaptação televisiva da sua personagem.

Tally Ho major!

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D